Agendamento pelo WhatsApp
Olá! Clique em uma das opções abaixo e nós retornaremos o mais rápido possível.
Assessoria

Assessoria Financeira Sorocaba Consultoria Financeira Sorocaba Organização Financeira Sorocaba



Consultoria Empresarial Sorocaba Franquia Financeira Sorocaba Redução de Custos Sorocaba



Assessoria Financeira Sorocaba Consultoria Financeira Sorocaba Organização Financeira Sorocaba



Consultoria Empresarial Sorocaba Franquia Financeira Sorocaba Redução de Custos Sorocaba



7 maneiras de controlar a inadimplência e ainda manter o cliente

Sua empresa ainda sofre com a inadimplência? Calma, confira medidas para reduzir a inadimplência e conquistar uma boa carteira de clientes.


7 maneiras de controlar a inadimplência e ainda manter o cliente Consultoria Empresarial Sorocaba Franquia Financeira Sorocaba Redução de Custos Sorocaba

Como vencer o fantasma da inadimplência? Em um país onde 62 milhões de pessoas estão com o nome sujo na Serasa, o clima de insegurança é grande entre os empresários. Mas algumas medidas evitam a inadimplência e ainda podem gerar uma boa carteira de clientes. Acompanhe mais orientações neste artigo.

 

O desejo número um dos donos de negócios é vender. O desejo número dois é receber pelo serviço ou produto. Porém no meio do caminho existem os inadimplentes.

 

O CEO da Serasa Experian e da Serasa Experian América Latina, José Luiz Rossi, concedeu uma entrevista (https://economia.uol.com.br/reportagens-especiais/entrevista-uol-lideres-jose-luiz-rossi-serasa-experian/index.htm#brasileiro-nao-e-caloteiro ) à série UOL Líderes na qual afirma que o brasileiro não é caloteiro. O problema está no desemprego e na falta de educação financeira.

 

Ele disse mais: a inadimplência vem de ricos e pobres. A única diferença está no valor do bem. Enquanto o pobre está devendo um tênis, o rico está devendo um carro. Se o brasileiro controlasse melhor seu orçamento, a inadimplência seria menor.

 

Por conta disso foi aprovada uma alteração na Lei do Cadastro Positivo, de 2011. A mudança prevê a inclusão automática da lista de bons pagadores num banco de dados administrado pelo Banco Central para, quem sabe, estimular as pessoas a pagarem suas contas em dia e ter vantagens, como a redução da carga de juros.

 

Até julho de 2019, o bom pagador só entra na lista nacional se autorizar. Portanto o temor é que o cadastro seja utilizado de forma invasiva ao consumidor. Hoje no Brasil existem 137 milhões de pessoas que estão no Cadastro Positivo para alívio dos empresários.

 

Entretanto como 45% dos consumidores brasileiros ainda têm restrições de crédito, vejamos a seguir sete orientações de como evitar que a “epidemia” do fiado contamine o caixa da sua empresa familiar.

 

1.Consulte SPC e Serasa

 

Não pense duas vezes na hora de consultar os dados do cliente nos serviços de proteção ao crédito. Afinal, a prática já está tão disseminada que nem constrange o consumidor.

 

O SPC está ligado à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) enquanto que a Serasa é particular. Se você pular este primeiro passo, corre o risco de perder dinheiro com um cliente negativado.

 

2.Reavalie a venda

 

A vida do empreendedor é cheia de desafios, não é mesmo? Um cliente pode ter o nome limpo, mas costumeiramente atrasar as parcelas, reclamar do pagamento de multas e juros e ainda gerar uma situação constrangedora para você e seus colaboradores do setor de crediário. Então essa situação precisa de um xeque-mate.

 

Aliás, a instabilidade financeira se reflete nos números. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), no início de 2019 a taxa de endividamento das famílias brasileiras era de 61,5%.

 

Portanto com a capacidade de pagamento já comprometida, torna-se arriscado vender para determinados clientes. Avalie a possibilidade de cortar o crédito e vender apenas no cartão, que é um recebimento seguro apesar do pagamento dos honorários das operadoras.

 

3.Controle os atrasos  

 

A inadimplência é um fato, porém, você não precisa ficar refém dela com a falta de controle do fluxo de caixa. Reflita comigo: como é feito o seu cadastro de clientes?

 

Há nome completo, endereço, RG e CPF? Você emite boletos? Você tem uma planilha com as parcelas em dia e as atrasadas?

 

Esse controle é importantíssimo para o departamento de cobranças da sua empresa poder agir, seja extra-judicialmente ou através da execução da dívida.

 

4.Mande avisos de vencimento

 

Você já deve ter recebido lembretes de vencimento de boletos, seja por e-mail ou SMS. A prática se tornou comum e ajuda aqueles que não fazem um controle tão rígido das contas a pagar lembrarem-se da data de vencimento e, assim, reduzir as taxas de inadimplência.

 

Há vários aplicativos e ferramentas disponíveis no mercado. A automação permite o agendamento do lembrete a ser enviado por e-mail, evitando a inadimplência. Caso o recado seja enviado via SMS, o conteúdo deve ter menos de 160 caracteres para não chegar “quebrado” ao destinatário.

 

5.Faça as correções monetárias

 

A clareza favorece relacionamentos mais duradouros entre empresas e clientes. No momento da compra, deixe claro ao seu cliente o prazo de pagamento no crediário e a possibilidade de correções monetárias em caso de inadimplência.

 

Devido a isso não hesite na hora de colocar juros sobre uma parcela atrasada. Defina o valor da multa e do juro diário por atraso. Renegocie dívidas antigas.

 

Em empresas familiares, os laços de confiança entre o dono do negócio e o cliente podem gerar um mal-estar no momento da correção monetária. Porém lembre-se que você não é uma ONG e que a entrada de dinheiro garante a saúde financeira do seu empreendimento.

 

Você pode, inclusive, analisar a possibilidade de contratar uma empresa de cobrança, que fará o processo da forma mais adequada possível.

 

6.Imponha limites na primeira venda

 

Se evitar a inadimplência é um desafio, você pode minimizar o impacto de uma dívida não paga à sua empresa. Portanto, se você se deparar com um cliente novo em seu negócio, limite o valor da venda na primeira negociação.

 

Infelizmente, essa prática é voltada para a comercialização de produtos no varejo, pois as empresas B2B que vendem seus serviços ficam impedidas, muitas vezes, de limitar seus pacotes a novos clientes, visto que eles já seguem a uma padronização.

 

7.Contrate assessoria financeira  

 

As pedras no meio do caminho do empresário são tantas que às vezes é um desafio caminhar sozinho.

 

Nesse sentido, a inadimplência - o famoso caderninho de fiado de antigamente - pode causar um descontrole financeiro indesejado.

 

Para evitar que as contas atrasadas dos seus clientes comprometam o caixa do seu empreendimento, busque uma empresa especializada em assessoria financeira para empresas familiares em Sorocaba. A Fast Assessoria Financeira (https://www.fastassessoria.com.br/) tem consultores especializados que vão lhe ajudar.

 

Lembre-se que o caixa é parte vital do negócio. Por descontrole financeiro, muitos CNPJs deixam de existir.

 

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) (http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae), uma em cada quatro empresas abertas no Brasil fecham as portas antes de completarem dois anos de fundação. O fiado é uma das causas da derrocada.

 

Em resumo, não é justo que seu dinheiro fique rodando por aí, em outras mãos, enquanto você se esforçou para levar um produto ou um serviço de qualidade ao seu cliente.

 

A inadimplência tem raízes na falta de educação financeira e outros fatores externos, como o desemprego. Mas você como empresário pode tomar algumas atitudes para evitar os impactos negativos do fiado.

 

Para esclarecer suas principais dúvidas com relação à saúde financeira da empresa, (https://www.fastassessoria.com.br/contato) fale com nossos consultores.

 

Hygor Duarte - CEO Grupo FAST



Data: 10/06/2019




Compartilhar: