Assessoria

Assessoria Financeira Sorocaba Consultoria Financeira Sorocaba Organização Financeira Sorocaba



Consultoria Empresarial Sorocaba Franquia Financeira Sorocaba Redução de Custos Sorocaba



Assessoria Financeira Sorocaba Consultoria Financeira Sorocaba Organização Financeira Sorocaba



Consultoria Empresarial Sorocaba Franquia Financeira Sorocaba Redução de Custos Sorocaba



Impacto do coronavírus: é hora de sua empresa se reinventar

Novos modelos de negócios, baseados no delivery e no home office estão surgindo para empresas tradicionais


Impacto do coronavírus: é hora de sua empresa se reinventar Consultoria Empresarial Sorocaba Franquia Financeira Sorocaba Redução de Custos Sorocaba

Que o mercado é extremamente dinâmico, todos já sabem. Mas que uma nova doença pegaria de surpresa todos os setores da economia em 2020, ninguém imaginava. Nos resta agora, literalmente, trocar o pneu com o carro andando. Por isso, muitas empresas têm se reinventado devido à pandemia do novo coronavírus.

 

Só para lembrar, as pequenas empresas representam 99% dos negócios no país e geram, em média, 52% dos empregos formais, segundo o Sebrae. Se por um lado o impacto do novo coronavírus nos pequenos negócios é considerável, por outro as pequenas empresas são mais flexíveis.

 

Assim, diferentemente de grandes corporações, com seus numerosos conselhos, os pequenos negócios são mais maleáveis e podem “dançar conforme a música”.

 

Portanto, o ritmo agora é ditado pelo home office, delivery, comércio eletrônico e pagamento por link. Como consequência da pandemia, ainda não sabemos como ficarão  as relações de trabalho até o final do ano ou nos próximos tempos. Mas é certo que estas serão fortes tendências.

 

E, você, como pequeno e médio empresário, deve saber que a pandemia vai passar e a sua empresa precisa estar preparada. Portanto, eu, Hygor Duarte, como empresário e mentor empresarial, quero lhe trazer algumas reflexões importantes. Acompanhe este artigo e boa leitura!

 

Delivery e voucher: a tendência em época de pandemia

 

Devido ao fechamento dos serviços não essenciais, o setor gastronômico, de eventos, de turismo e lojas físicas de alguns segmentos apresentaram quedas nunca antes vistas no faturamento.

 

Entretanto, em tempo recorde, muitos empresários precisaram criar alternativas.

 

Portanto, o delivery que antes era restrito aos restaurantes, passou a ser praticado mais intensamente por supermercados, casas de ração e até papelarias.

 

Afinal, com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de todos ficarem em casa, o serviço de delivery demonstrou sua praticidade, comodidade e segurança.

 

Outra prática que se tornou comum, por consequência, foi o voucher. Muitos negócios que não podem atender no momento, estão usando vouchers para serem usados após o fim da pandemia.

 

Sendo assim, salões de beleza e fornecedores de eventos vendem vouchers agora, com preços mais atrativos, para serem trocados por serviços para quando a situação estiver normalizada.

 

A antecipação de renda, portanto, pode ser usada pelo menos para se atingir o ponto de equilíbrio do setor financeiro de cada empresa. Dessa forma, se afasta o risco de demissões, que abala ainda mais o mercado neste momento de incertezas.

 

Pagamento por link: mais receita e menos inadimplência

 

Como você viu até aqui, a pandemia mudou as relações comerciais. E, como não poderia deixar de ser, a forma de pagamento também mudou.

 

Portanto, o que já era adotado por muitos e-commerces, passou a ser usado por microempreendedores e pequenos negócios físicos. Estou falando do pagamento por link.

 

Assim, o empresário pode completar todo o ciclo de venda pelo WhatsApp, Facebook, Instagram ou e-mail, desde a oferta do produto até o recebimento por meio de link. Como consequência, empresa e cliente são notificados pelo sistema dos pagamentos efetuados.

 

Desse modo, o cliente recebe o link e escolhe a melhor forma de pagamento, como cartão de débito ou de crédito, depósito ou transferência. Veja, nesse sentido, algumas opções do mercado:

 

Portanto, se você está considerando essa ferramenta de recebimento, acesse os links e pesquise o que é melhor para a sua empresa, considerando o menor pagamento de taxas possível.

 

Dessa forma, empresários que não se adaptam à tecnologia precisam encontrar alternativas para manter a receita em época de pandemia.

 

Alguns negócios, portanto, estão mantendo o pagamento em espécie ou, no máximo, adotando a transferência bancária. Outros ainda estão adiando os prazos de pagamento para o pós-pandemia e aderindo à reserva financeira ou empréstimos para honrar seus compromissos.

 

Porém, eu trago aqui uma reflexão: a transformação digital está batendo à porta. Até quando a sua empresa ficará de fora? Alguns especialistas já falam, inclusive, em Revolução 5.0. Com ela, muitas ferramentas que estavam em fase inicial, devem ser implantadas para conter a crise.

 

Coronavírus e os cases de sucesso: como algumas empresas estão se reinventando

 

É na crise que encontramos força para crescer. Para se ter uma ideia, a Uber e o Airbnb surgiram após a crise financeira de 2008. E, então, para você ter alguns insights, separei alguns cases de sucesso já divulgados na mídia para você refletir em época de pandemia. Veja a seguir:

 

Cora: logo após o início da pandemia no Brasil, a fintech Cora criou o negócio “Compre dos Pequenos”. Ela consiste numa plataforma que vende vouchers de pequenos negócios para serem usados depois do fim da pandemia.

 

Dessa forma, com a antecipação da receita, os empresários podem manter as despesas básicas, como a folha de pagamento.

 

Bia Hoi: o restaurante vietnamita em São Paulo tinha um tíquete alto, de R$ 80,00 em média, antes da crise. Mesmo assim, possuía um público fiel.

Porém, com a pandemia se viu forçado a vender vouchers com desconto para serem consumidos em alimentos após a reabertura. Dessa forma, o voucher de R$ 30,00 vendido hoje, poderá ser trocado por R$ 40,00 após a normalização.

 

Sterna Café: a cafeteria paulista atendia, basicamente, pessoas que trabalhavam nos arredores. Mas, com a pandemia, a maioria das empresas liberou os funcionários para o home office. O resultado foi a queda imediata nas vendas. Por consequência, a empresa passou a fazer pacotes de delivery fechados para 5, 10 ou 15 dias. Assim, obteve renda recorrente em vez de vender um único prato e realizar a entrega.

 

Para concluir, o coronavírus está ensinando aos empresários que o home office, o comércio eletrônico e novas formas de pagamento são essenciais para manter as empresas durante e após a crise da saúde e da economia.

 

Portanto, é fundamental pensar em maneiras que possam garantir, pelo menos, o ponto de equilíbrio neste período e projetar mudanças para depois do fim da pandemia.

 

Assim, se você quer continuar empreendendo é necessário se reiventar, ser protagonista de sua história e, sobretudo, agir positivamente.

 

Aproveite para conhecer outras alternativas em momento de crise, procurando nossos consultores. Basta acessar o site da Fast Assessoria Financeira clicando aqui.

 

Hygor Duarte

CEO do Grupo Fast, empreendedor e mentor empresarial, professor de cursos preparatórios para certificações Anbima, palestrante, pai de autista e idealizador do Programa 33.



Data: 06/04/2020




Compartilhar: